RJ D7 | O Rio pela janela

Quando acordei na 4ª feira só me apetecia chorar. A partida era um facto irrevogável e ficou decidido que íamos estar na rua até ao limite da hora do autocarro.

Saímos bem cedo para conhecer a Urca a pé e daí partimos para o eixo sagrado Ipanema / Leblon, onde ficámos até às dez da noite! Deu para ir à Toca do Vinicius matar saudades da Bossa Nova e do Carlos, deu para ir à livraria Argumento mergulhar nas prateleiras cheias de livros e discos, almoçar em Ipanema enquanto partimos pedra sobre assuntos do coração, o que, entre amigos, é sempre muito bom, e fazer a Visconde Pirajá, a Ataúlfo de Paiva, a Vieira Souto e a Delfim Moreira um sem número de vezes, porque não há melhor programa quando se está no Rio com o melhor amigo do que andar a pé e conversar até doer a garganta.

IMG_0413

IMG_0415

No Arpoador vimos o sol a pôr-se e o Vidigal a transformar-se numa enorme árvore de Natal no morro, à medida que escurecia.

IMG_0416

IMG_0418

No boteco, onde jantámos com os Luíses e a Teresinha, falou-se de Portugal, do Brasil, dos nosso emigrantes e do caminho que o mundo vai seguir.

O Paulo apanhou-nos em casa, depois da viagem de autocarro mais maluca e perigosa que me lembro de ter feito na vida, entre Ipanema e Botafogo, e levou-nos para a Rodoviária, por um caminho que atravessa as maiores feridas do Rio: as favelas do centro, e as esquinas onde, apesar da história, o crack ainda faz as suas vítimas. O percurso do ônibus pela Avenida Brasil, a caminho de São Paulo, deixa entrar pelas janelas as imagens cortantes das favelas do subúrbio, onde o valor da vida humana é muito diferente do nosso e onde milhares de cariocas se amontoam em km de bairros de lata ao longo da estrada, de um lado e de outro. Penso na viagem que acabei por não fazer, de carro, pela BR-101 e pelas curvas da estrada de Santos. É porque não tinha que ser. Tem que ficar alguma coisa para as próximas visitas. O cansaço e as lágrimas vencem-me e deixo-me dormir. Quando acordar já estarei em São Paulo… 20 anos depois…

RJ D5 | Botafogo – Aterro

Estar de férias no Rio, em Botafogo, e não aproveitar para andar de bicicleta é crime. Por isso, o 5º dia na cidade maravilhosa começou tarde, mas da melhor forma. Equipamento – check; bicicleta – check; folha e marcador para mandar o treino à PT – check; livro para ficar a ler no jardim – check! A ciclovia que liga Botafogo ao Aterro do Flamengo é simplesmente maravilhosa…

IMG_0401

IMG_0402

IMG_0403

IMG_0405

IMG_0404

IMG_0406

Fui parando a meio do caminho para olhar para a paisagem, de tirar o fôlego, e ao fim de 45 minutos a pedalar, cheguei ao final do aterro. Pareo no chão, coco comprado e lá estava eu sentada à sombra de um coqueiro a ler mais aventuras do Saturnino, o protagonista d’”Os Dias de Saturno”, do Paulo Moreiras.

Confesso que achei estranho estar toda a gente sentada no passeio em vez de estarem debaixo das árvores… estava mesmo a pensar “Estes cariocas são doidos!”, quando um pássaro me chamou lá de cima, do coqueiro. olhei para ele e reparei que a minha cabeça estava mesmo por baixo de um coco. Fez-se luz… Talvez fosse por isso que os cariocas não se sentam debaixo dos coqueiros. Discretamente, mudei o meu estaminé para o sítio onde os nativos estavam sentados e deixei-me estar sossegada. Como diz o Ricardo, ainda bem que o Newton não era carioca…

De volta a casa e de banho tomada, optámos pelo melhor programa para se fazer no Rio, quando não há nada para fazer: IPANEMA! Demos algumas voltas até que começou a chover e se fez tempo de irmos para casa outra vez (o tempo em Ipanema passa muito rápido!). Eram seis e meia da tarde. A Martha e o Bernardo estavam a dormir e nós adormecemos os dois no sofá. Lembro-me de acordar às dez da noite e de levar o Ricardo para a cama e de acordar no dia seguinte.

RJ D4 | As ondas de São Conrado

O Domingo que passámos no Rio foi dia de voltar à Rocinha e ver como é que a comunidade tinha evoluído nestes três anos. O Ricardo e a Mariana chegaram às 7 da manhã de Vitória do Espírito Santo e partimos de Botafogo em busca do 586, o ônibus que atravessa toda a Zona Sul e que sobe a estrada da Gávea em direcção à favela.

Não foi fácil perceber que antes da última curva da Gávea, onde termina o bairro com maior IDH do Rio e começa a Rocinha, todos os ocupantes do ônibus saíram, excepto nós…

Passada a barreira feita pela PM à entrada da favela começaram os 5 minutos de pânico em que estivemos ali meio perdidos, com toda a gente a olhar para nós com uma legenda na testa a dizer “O que é que estes gringos estão aqui a fazer?!”. Houve até uma senhora, que às 09h30 da manhã já estava sentada no chão a beber cerveja, que nos disse para irmos um bocadinho mais para cima porque a vista de lá era mais bonita… Estivemos ali por alguns minutos eternos, até que alguém me chamou e perguntou se eu era a Joana. Uma jovem, de nome Mariana, estava à minha espera para nos fazer companhia até à chegada do Bétão (não estou nada segura de que isto tenha acento, mas é para soar carioca) que apareceu poucos minutos depois.

Foi fantástico rever aquelas ruas três anos depois e perceber que, apesar da pobreza que ainda está instalada até à medula, começam, aos poucos, a surgir sinais de alguma melhoria nas estruturas da favela. As ruas continuam seguríssimas e agora, com a favela pacificada, percebe-se que as pessoas andam mais tranquilas na rua. Passámos por imensos becos e ruas estreitas; cruzámo-nos com sinais de pobreza instalada que doem no fundo do coração; percebemos que, tal como em outras partes da cidade, o saneamento continua a ser um problema muito complicado e que em muitas zonas da Rocinha, o esgoto corre a céu aberto em direcção a São Conrado; passámos por crianças e mais crianças a correr; vimos homens e mulheres nas suas duras vidas diárias; ouvimos falar sobre o que mudou e sobre o que falta ainda mudar e conseguimos a proeza de voltar a encontrar o “Seu Jorge”, da casa Chokito, cuja irmã trabalha no seminário dos Olivais e que há três anos, quando estive no Rio, me tinha mandado recado pelo padre Miguel para que fosse visitar o irmão dela à Rocinha e dar-lhe um abraço pessoalmente.

IMG_0370

Duas horas depois, chegados ao fim da Rocinha, o Ricardo foi voar com o Chico, o que me permitiu ter quase uma hora sozinha para namorar os areais e as ondas de São Conrado 🙂

A água, a areia, o ar, o vento, o cheiro de São Conrado… tinha tantas tantas saudades deste recanto do Rio que depois de fazer a orla da praia duas vezes fiquei parada, no meio do areal, com a água a molhar-me os pés ainda cheios de feridas do primeiro dia. E foi como se de repente todas as coisas más fossem embora e eu voltasse a sentir que o mito do bom selvagem é mesmo verdade. Como se agora, depois de voltar a lavar os pés naquela água, eu pudesse, mais uma vez, voltar a casa para começa de novo, com a certeza absoluta, quase física, de que tudo vai correr bem.

IMG_0373 IMG_0374 IMG_0376 IMG_0378 IMG_0395

Depois da melhor hora que passei no Rio, com os pés metidos debaixo da areia e da água da minha praia, foi tempo de dar uma volta na feira hippie de Ipanema e seguir para a festa caipira onde comemorámos o aniversário da Carla, mãe da Camila!

DSC08197

Além de provarmos algumas especialidades como queijo coalho, salsicha e doces típicos, vivemos a experiência de ver o Brasil disputar a final da Copa das Confederações no meio de uma festa de brasileiros. O jogo foi super animado e o Brasil até ganhou mas provavelmente devido ao clima de protestos que se vive nas ruas e do péssimo fim que teve a manifestação que tinha acontecido junto ao Maracanã, a festa da vitória acabou muito cedo e uma hora depois do final do encontro não havia ninguém nas ruas a festejar.

Uma das melhores coisas do dia foi ter conhecido pessoalmente a Camila, que esteve em Portugal recentemente e até era para ficar em minha casa, mas com desencontros em cima de desencontros acabou por chegar a Lisboa numa altura em que eu estava no Porto.