Flores, nem vê-las!

Cheguei a Amesterdão super entusiasmada porque finalmente ia ver os campos de tulipas floridos!
Após 18km a pedalar chegámos a uma área de campos lavrados, mas tulipas nem vê-las! Tinham sido apanhadas no dia anterior… Voltámos de bicicleta para o aeroporto onde lanchámos numa esplanada (sim, está sol na Holanda) e apanhámos o comboio de volta a casa.
E é fantástico com tudo aqui está preparado para as bicicletas serem um meio de transporte tão válido como todos os outros 🙂
Hoje sim, vamos ver flores, mas de carro.
Para já, uma foto do almoço de ontem no Amsterdam Bos (lê-se boch)

20140425-120530.jpg

Açores 5 | Gorreana Tea :-)

Uma das partes mais giras da volta à ilha, foi a visita que os nossos anfitriões fizeram connosco à plantação do Chá Gorreana.

A fábrica continua a ter o mesmo ar de quando começou, mas as plantações são lindíssimas e, caso esteja sol, um privilégio com o qual não fomos brindadas, o gelado de chá gorreana é uma excelente companhia. Não nos deixámos impressionar com isso e experimentámos os gelados na mesma. Façam um favor a vocês próprios e visitem a fábrica quando passarem pela ilha de São Miguel. Mais informações aqui.

Açores 0113 Açores 0115 Açores 0116 Açores 0120

Açores 4 | A volta à ilha

Dos dois dias seguintes já não me lembro exactamente de nada, a não ser o facto de termos feito a volta à ilha em dois dias. A metade ocidental no primeiro e a oriental no segundo. Por isso, ficam as fotos e, como podem ver pela última, parecendo que não, fazia vento…

Açores 0101 Açores 0105 Açores 0107 Açores 0109 Açores 0130 Açores 0132 Açores 0160

Açores 3 | As Furnas

As Furnas constituem um clássico nas visitas à ilha de São Miguel e, como dizia o outro, já que “Clássico é clássico e vice-versa” decidimos começar em grande, e provar o cozido típico da região. É basicamente igual ao outro mas tem um sabor entranhado a enxofre. De qualquer maneira, deu-nos as calorias necessárias para mais uma grande caminhada.

Açores 0014

Após o repasto no Tony’s, pelo que nos disseram, a grande referência na especialidade, seguimos o nosso caminho até à Lagoa e achámos por bem deixar o carro cá em baixo, na povoação, que tanto uma como outra queríamos reduzir o perímetro abdominal e tonificar as pernas…

Açores 0017

A subida a pique começou com esta paisagem verdejante e manteve-se dura até avistarmos o poste com a sinalização de caminho certo, mesmo em frente à lindíssima Lagoa das Furnas. Depois de uma mirada nas Caldeiras, onde o cheiro a Enxofre me deu alguma vontade de vomitar, e porque gostamos de complicar aquilo que é sim

ples, porque não fazer um trilho dentro de outro trilho e interromper o trilho da Lagoa ara subir ao Pico do Ferro?

Açores 0024Açores 0054

Como eu e a Sofia funcionamos na base de uma dizer “Mata!” e a outra “Esfola!”, lá fomos nós pela mata acima a vislumbrar aquela paisagem suíça de pastos e vacas a perder de vista. Chegadas ao topo, depois de alguma lama, foi altura de uma foto ao estado lastimável das botas e um brinde enviado aos amigos ausentes:

Açores 0065Açores 0069

Depois da descida, que se revelou mais difícil do que a subida que tínhamos acabado de fazer, ainda decidi tentar dar a volta à Lagoa por um lado que ainda estava inundado, enquanto a Sofia ficou sossegada a rir à gargalhada das minhas tentativas de não escorregar para dentro do lamaçal.

Açores 0074

Depois de uma volta quase completa à Lagoa (pelo lado com estrada), lanchámos e tirámos uma data de fotos a uma igreja abandonada antes de começar a descer de volta à povoação, que o meu medo do escuro não se coaduna com permanecer em matagais após o pôr-do-dol e entre cozido, cervejas frescas e sandes feitas em casa, fizemos nada mais nada menos do que 12km:

Furnas