Come and join the chorus

Já lá vai mais de um ano. E parecia tão difícil na altura… Ainda por cima porque já tinha tido, em tempos, um desencontro profissional com o João, e sempre que a Patrícia e o Miguel insistiam para eu me juntar ao coro, a minha resposta era sempre a mesma… “O João nunca me vai passar na audição!”.

Para dificultar ainda mais, eu só conhecia a Patrícia, a Cláudia, o Miguel e a Joana Gi, quatro pessoas com um nível de prática musical muito superior ao meu, o que me fazia ainda mais acreditar que não seria possível.

Na altura, a minha professora de canto queria à força toda fazer de mim soprano, por mais que lhe dissesse que era alto e que não queria deixar de ser. Tenho muito orgulho nos meus graves e não é por acaso que tenho uma clave de fá tatuada no pescoço – os graves do piano 🙂

E já agora, a nota surreal do texto… a Joana e a Sofia… Se, há um ano atrás me tivessem perguntado quem eram as duas pessoas do coro com quem eu nunca iria ter uma relação próxima eu teria respondido “A Joana Cristóvão e a Sofia!”. E é muito bem feito que tenham sido as duas melhores amigas que eu fiz no coro, a provar que na diferença é que está a virtude. Passei com elas alguns dos momentos mais divertidos da minha vida recente e tenho muito a agradecer-lhes por isso! Isto a juntar ao Jorge, à Cláudia, à Mara, à Rute Mateus e a tanta outra malta fixe que conheci…

Ontem tivemos um dos melhores ensaios de que me lembro.

Passado mais de um ano, muitos concertos depois, ontem estivemos a preparar especialmente o concerto da próxima 6ª feira. É um dos nossos preferidos, e acho que falo por todos. O concerto de aniversário é o momento de mostrarmos aos amigos, à família e ao público o nosso trabalho.

Ontem o ensaio foi fantástico e quem ouça as gravações que tenho no telemóvel pode confirmar que estamos a soar muito bem.

É um orgulho ver como todas as vozes se somam para fazer uma só, é um orgulho ver os solistas a evoluírem de ensaio para ensaio, é um orgulho ver os novos solistas a atirarem-se para a nossa frente de microfone na mão e a darem o melhor porque sabem que estamos lá todos com o mesmo objectivo.

Foi muito fixe ver a malta a responder à chamada do maestro quando foi preciso os tenores reforçarem os baixos e as altos reforçarem os tenores. Foi bonito o aplauso das sopranos quando nós tentámos um esganiçado “Praise his name” numa oitava que eu acho que o meu piano nem tem, e foi espectacular o aplauso ao Piri, em homenagem aos bombeiros portugueses.

Resumindo, há um motivo pelo qual eu faço questão de insistir para que a malta toda nos vá ver na próxima sexta-feira, dia 13, às 21h30 no Jardim do Torel. Podemos não ter uma afinação perfeita, mas onde tanta gente se junta com uma amizade tão saudável e com tanto amor à música, só pode haver um grande espectáculo!

P.S. – Já agora, e porque eu acho que faz falta: Pátrice, és a maior! (e também és a minha cunhada preferida, mas pronto, isso também era fácil, porque és a única!)

Anúncios

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s